Sustentabilidade no setor automotivo

Com o avanço da tecnologia, o setor automotivo se vê em busca da adequação aos padrões ecológicos. Na procura por novas soluções que se adequem as demandas sustentáveis, as montadoras se movimentam em direção a um mercado onde os veículos elétricos e híbridos são atrações garantidas.

Anualmente, a ACEEE (Conselho Americano para uma Economia Eficiente de Energia) –  dos Estados Unidos – faz uma lista dos carros mais “verdes”, levando em conta diversos fatores: a emissão de poluentes, a economia de combustível, os gases provenientes dos tubos de escape dos veículos, entre outros.

Em 2017, os automóveis que tiveram melhores resultados nesses quesitos foram os elétricos BMW I3 VEV e Hyundai Ioniq Electric. O híbrido Toyota Prius Eco foi o primeiro que não faz parte da categoria a aparecer nesse ranking, ocupando a quinta posição.

Previous Image
Next Image

info heading

info content

Ainda assim, as montadoras não ficam estagnadas apenas nos elétricos e híbridos, inovando em outros aspectos. Sede de diversas montadoras de renome, a Alemanha se destaca como um mercado que une a sustentabilidade com o setor automotivo. Na linha de produção da Volkswagen são utilizados cânhamo, madeira, linho, celulose, papel, kenaf e algodão. A maioria desses materiais são utilizados nos painéis da porta e nos revestimentos dos veículos. Por exemplo, o novo Golf contém mais de cem componentes feitos a partir dos recursos renováveis. Mercedes, BMW e Audi também seguem o mesmo exemplo da marca originária da cidade de Wolfsburgo.

Já no México, onde o setor automotivo é o mais exitoso a nível econômico, as marcas apostam na produção sustentável. A Nissan recicla 100% de sua água nas plantas localizadas em Aguascalientes e Cuernavaca. Já a Toyota pretende ter a fábrica mais verde do mundo inteiro, em Celaya. Aliás, a montadora japonesa é pioneira nesse tipo de instalação, pelo menos no Brasil, onde foi desenvolvida a Ecofactory, em Sorocaba (SP). Seu objetivo principal era formar um cinturão de mata nativa, com um total de 400 mil árvores.

Eco-Sede da Toyota na Grã-Bretanha

As montadoras estão em processo de incorporação de novas tecnologias, principalmente no que diz respeito ao uso de energias. Dessa maneira acabam substituindo a eletricidade convencional, gerada por carboelétrica ou termoelétrica, pela que é originada através de plantas eólicas.

A linha de produção também vem sendo “redesenhada” – o que reduz o consumo de energia e nível de contaminação. Medidas simples, como o uso de tintas à base de água ao invés de solventes, indicam ainda mais o rumo à sustentabilidade do setor automotivo.