Projeto de lei determina 2029 como data limite para veículos movidos a combustão

A cada ano que passa, o mercado de veículos elétricos aumenta de tamanho. Isso em escala mundial. Existe, acima de tudo, um movimento (com esse alcance) que visa exterminar os veículos a combustão das ruas. Países como Reino Unido, França, Noruega e Índia já estabeleceram metas para cumprir essa promessa nos próximos anos, inclusive. 

O Brasil, para não ficar de fora, também está criando uma agenda nacional de extinção dos veículos a combustão. O primeiro passo foi dado no ano passado. Em 2019, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) fez um decreto otimista. Disse que, até 2030, o arquipélago brasileiro não poderia ter nenhum carro a combustão, nem híbrido.

Além disso, temos algo sendo colocado em prática na maior cidade brasileira. Em São Paulo, a situação envolve legislação. Desde 2018, há uma lei municipal que estabelece que todos os transportes públicos devem zerar a emissão de gases do efeito estufa até 2038.

A batalha também é travada em âmbito nacional. O senador Ciro Nogueira (PP-PI) criou um projeto de lei (304/2017) que, primeiramente, impedirá que os carros movidos a combustível fóssil sejam vendidos. Isto a partir do dia 1˚ de janeiro de 2030. Por fim, a lei informa que a partir de 2040, os veículos a combustão serão proibidos de andar em vias públicas.

Panorama geral

O Brasil ainda está engatinhando no quesito popularização de veículos sustentáveis. Um dos maiores problemas se dá na hora de carregar. Para solucionar a questão, a iniciativa privada está buscando algumas medidas.

A montadora alemã BMW já instalou mais de 150 postos de recarga para automóveis elétricos na Grande São Paulo. Na rodovia que liga a capital paulista ao Rio de Janeiro, está posicionado um corredor elétrico.

O que aprendemos com este cenário? Basicamente, que, por mais que o Brasil faça algo em prol da sustentabilidade, o que está lá fora caminha mais rápido. Ao mesmo tempo, conseguimos enxergar que o progresso, seja aqui, ou no mundo, é inevitável. Os apaixonados pelo ronco do motor que lutem.