Produtos que apareceram em filmes e venderam mais

Certamente você já os viu em inúmeros filmes e séries. Mas, como de se esperar, não os percebeu. Inseridos estrategicamente para soar o mais natural possível, esses produtos, só de estar ali, já cumprem o seu objetivo. Chegar ao público de forma informal, sem que os rejeitemos como mensagem publicitária.

O marketing indireto, ou neste caso o product placement, é uma estratégia que ganhou visibilidade a partir dos anos 80. A princípio, seu principal objetivo era custear as caras produções hollywoodianas. Posteriormente, se tornou uma das mais bem-sucedidas formas de publicidade.

Relembre alguns casos em que essa técnica funcionou e apresentou resultados mais que positivos.

BMW em 007

Há anos, o clássico Aston Martin acompanhava o agente James Bond em seus filmes. No entanto, em 1995, a montadora alemã BMW desbancou a concorrente ao inserir o seu modelo na franquia. Para colocar o Z3 Roadster em 007 Contra GoldenEye, a BMW investiu aproximadamente 3 milhões de dólares, obtendo 240 milhões de retorno apenas em vendas antecipadas. Um mês após o lançamento da produção, foram feitas mais de 9 mil encomendas do carro, estimulando a marca a repetir a experiência em outros dois filmes da sequência: 007 – O Amanhã Nunca Morre, com o BMW 750i; e 007- O Mundo Não é o Bastante, com o BMW Z8.

Vale destacar o uso do 750i em uma das cenas de perseguição, quando Bond o controla por um telefone celular.

Ray Ban em Top Gun

Lançado em 1986, esse filme conseguiu uma significativa bilheteria ao trazer o drama de um piloto de caça. Apesar do feito, o que de fato surpreendeu a produção foi a forma viral como o longa reeditou a moda da época. Graças ao uso do modelo Aviador por Tom Cruise, as vendas da armação Ray Ban subiram 40% na época.

 

Chocolate Reese’s em ET

E se um chocolate fosse capaz de conquistar inclusive um extraterrestre? Esse foi o caso do Reese’s, que por ser o doce favorito do ET no filme que leva o seu nome, embolsou um aumento de 40% em vendas. Inicialmente Spielberg procurou a M&M’s para desempenhar o papel, mas ela o recusou. Foi então que ele enfim contatou a Hershey’s, responsável pelo produto, que aceitou investir US$ 1 milhão em troca do uso das cenas em suas campanhas.

 

FedEx e Wilson em Náufrago

Neste filme, Chuck, personagem de Tom Hanks, é um funcionário da FedEx que sobrevive a um acidente envolvendo o avião da transportadora. Ainda que pareça uma ideia bizarra associar a imagem de uma empresa a uma tragédia somada a um funcionário abrindo pacotes de terceiros, o resultado foi positivo. Principalmente por conta da divulgação da empresa no mercado asiático e europeu.

Como se não bastasse, ainda temos outro caso. A Wilson, que ganhou um destaque mais que memorável na trama. A bola conseguiu se tornar um personagem, sendo então um exemplo perfeito de product placement. Ela é mostrada, citada ao longo do filme e ainda apresenta uma ligação emocional com o personagem.

Ainda que sejam jogadas bem sucedida, ambas as marcas não pagaram nada para fazer parte do filme. Apenas autorizaram o uso da de suas marcas.

 

Samsung em House of Cards

Em seus episódios a série já exibiu diversos produtos, entre eles Apple, Blackberry e Canon. No entanto, foi em um determinado episódio que a Samsung decidiu fazer uma inserção para mostrar seus novos tablets e como suas funcionalidades dialogam com o ambiente profissional. Outra ação relevante foi a exibição de um famoso jogo mobile em um dos seus smartphones.

 

Starbucks em diversos filmes

É impossível eleger apenas um filme em que a cafeteria apareça. Seja recebendo pessoas, ou estampando um copo, a marca conseguiu consolidar a imagem que a divulga como um lugar cordial, caloroso, frequentado por gente ativa, descolada e criativa.

E você, lembra algum outro caso que não mencionamos aqui? Conta pra gente nos comentários.