Os autônomos estão protegidos dos hackers?

Ao mesmo tempo que tecnologia faz avançar, a conectividade pode trazer riscos. 

Assim como nossos computadores e smartphones podem ser invadidos por hackers, os carros autônomos podem sofrer com invasões.

Isso acontece porque um dos princípios básicos para o funcionamento de um carro self-driving é justamente a conectividade, caminho pelo qual os hackers encontram brechas.

Com essa vulnerabilidade é possível, por exemplo, localizar o veículo, destravar portas e tomar o controle de componentes do automóvel, como o próprio motor.

Simson Garfinkel, cientista e pesquisador de segurança, afirmou recentemente em uma coluna publicada na MIT TEchnology Review, uma das mais importantes do segmento, que os hackers se aproveitam do fato de que a tecnologia dos autônomos ainda está em desenvolvimento para fazer os ataques.


“Esses veículos terão de antecipar e se defender contra um espectro completo de atacantes mal-intencionados, que usam ataques cibernéticos tradicionais e uma nova geração de ataques baseados no chamado aprendizado da máquina”, diz Garfinkel.


Mas esse problema não é novidade para as montadoras, que demoram em criar sistemas mais seguros. Há dois anos, uma equipe de analistas de segurança invadiu um Jeep Cherokee que, mesmo não sendo autônomo, era conectado com a internet. Para se ter ideia do quão isso é perigoso, os analistas conseguiram, além de desligar o motor no meio de uma rodovia, desativar os freios do carro. Confira:

Ainda assim, não existe motivo para pânico. Em sua coluna, Simson Garfinkel também lembra que, no início, os computadores não tinham segurança contra hackers e, aos poucos, os sistemas foram aperfeiçoados. Recentemente, a empresa europeia Vedecom Tech, em conjunto com a israelense Karamba Security, desenvolveram um automóvel capaz de se proteger dos ciberataques. O veículo, que já está em fase final de testes, deve ser comercializado inicialmente em pequenos municípios da França, Itália, Alemanha, Portugal e Holanda em 2018.

Fora isso, uma pesquisa feita pela Irdeto, empresa holandesa referência em segurança digital, apontou que, até 2020, as montadoras devem investir US$ 82 bilhões (aproximadamente R$ 269 bilhões) em aperfeiçoamentos de segurança nos carros autônomos. Então, fique tranquilo, muita coisa vai mudar no mundo dos veículos sem motoristas.