O Vale do Silício sob o olhar brasileiro

Estados Unidos. Califórnia. Vale do Silício. O destino de muitos negócios e projetos inovadores. Isso em escala mundial. Geralmente, a tecnologia está no meio. As origens das ideias são diversas. Brasil, Itália, Suécia, Índia. E existem os empreendedores locais, obviamente. As startups americanas ainda ocupam o um grande espaço nessa rede de serviços.

Apesar disso, a Fundação Nacional para Política, membro estatístico dos Estados Unidos, mostra que mais da metade das startups do Vale tem origem imigrante. Agora, por que tanta gente decide levar sua preciosa ideia para lá? Essa dúvida vale, principalmente, para os brasileiros.

VAMOS ENTENDER

Em 2018, eram 39 empresas brasileiras operando na região. E dessas 39, 35 eram focadas em tecnologia. A maioria dos aventureiros ficavam entre 40 e 49 anos. As mulheres eram minoria: 28%.

De tudo que citamos acima, talvez a maior curiosidade seja a faixa etária de quem investe nesse pólo. Os índices dizem algo muito claro. Se tratam de pessoas que já passaram por etapas profissionais na vida. Uma, duas, três ou mais.

E por que decidem empreender lá? E nesse fase? Pode parecer complexo, mas na verdade essas respostas são bem simples. Vamos por partes. Em primeiro lugar, o Vale do Silício é o local ideal para se lançar uma startup.

Primeiramente, os recursos disponíveis são incríveis. Lá é fácil investir, e conseguir investimento. Para completar, o ambiente é super competitivo. A mão de obra é abundante. E o mais atraente: é qualificada.

Vamos agora ao aspecto idade. Muitas e muitas pessoas se mudam para o Vale para expandir empresas que já existem. Que já foram lançadas previamente no Brasil. Ou, claro, para lançar novos empreendimentos. Mas, neste último caso, é necessário ter dinheiro, geralmente bastante.

Pessoas que se situam na fase em questão (40-49) tendem a ter uma saúde financeira mais consolidada, e uma experiência que pode ser fundamental para não quebrar a cara em um local tão competitivo.

CRESCIMENTO DA PRESENÇA BRASILEIRA

O aumento na quantidade de brasileiros no Vale do Silício se dá por vários motivos. O primeiro é óbvio: a atratividade já citada anteriormente. Agora, o que não se pode ignorar é o caminho inverso. A falta de incentivo econômica do Brasil contribui diretamente para a migração de ideias e pessoas.

Desde 2015 o movimento de brasileiros em direção ao Vale vem crescendo bastante. Não surpreende que esse período corresponde com o início de uma recessão local. A economia brasileiro entrou em fadiga.

Problemas econômicos, políticos e correlacionados. Não podemos esquecer da preocupação generalizada com a segurança. O número de estudantes brasileiros na Califórnia também acompanha esse aumento. Famílias migram em conjunto e se instituem em um ambiente mais próspero e mais seguro.