O que é o estudo de personas e como aplicar

Quem trabalha na área do marketing e da publicidade conhece muito bem o termo persona. Mas engana-se ao pensar que só é utilizado no mundo das grandes marcas. A utilização desse tipo de estudo ocorre em quase todos os tipos de negócios.

O significado

Primeiramente, é necessário entendermos o que significa persona. Entretanto, antes de caminharmos à definição completa da palavra, conhecer outros conceitos, como público-alvo, pode ajudar.

O público-alvo é uma massa mais genérica de futuros clientes. Vamos imaginar que uma empresa de uniformes universitários esportivos vai lançar uma linha de coquilhas, por exemplo. Seu público-alvo pode ser descrito de maneira mais simples: homens, atletas, 18 a 25 anos, solteiros, residentes em São Paulo e, por fim, estudantes do ensino superior. 

A persona é derivada do público-alvo. Basicamente, é a criação de uma pessoa, uma personalidade semi-fictícia. Se seguirmos o exemplo anterior, ficaria mais ou menos assim: Moisés Silva, estudante de educação física de 21 anos, estuda na USP e faz parte do time de rugby da faculdade, na qual treina 4 vezes por semana.

Resumindo, o público-alvo é um recorte abrangente de consumidores. Já a persona, é a representação do cliente ideal. 

A busca da persona ideal

Tendo em vista que a persona é uma pessoa semi-fictícia, para criá-la, as pesquisas com pessoas reais, são imprescindíveis. Justamente, para entendimento de seus hábitos. Com esses dados, é possível mandar as mensagens certas para as pessoas certas, assim, consequentemente, aumentando as chances de sucesso.

Uma vez com o estilo de vida da persona claro, se torna possível redirecionar anúncios. Isso quer dizer: definir a melhor hora de impulsioná-los e atingir os clientes em potencial de maneira mais natural. Em suma, a persona serve para aproximar o produto do cliente, adequando a linguagem do marketing.

Com a definição de persona em mente, o mapeamento de suas características é viável. Algumas questões devem ser respondidas. São elas: 

  • Dados demográficos (idade, gênero, localização e profissão);
  • Renda e classe social;
  • Formação;
  • Desejos e aspirações (tanto pessoais quanto as profissionais);
  • Hobbies;
  • Hábitos na internet, sites mais acessados, redes sociais utilizadas, tempo de navegação por dia, dispositivo utilizado etc;
  • Estilo de vida;
  • Necessidades e dificuldades do dia a dia.

Boa sorte!