Mitsubishi foca em SUVs e picapes

O CENÁRIO

A mudança pela qual a Mitsubishi vem passando envolve sua estratégia de mercado. Se você não sabe o que está acontecendo, não se preocupe. Vamos explicar. Primeiramente, os esportivos estão saindo de campo. Em segundo lugar, estão sendo transformados em SUVs. E picapes, também. A resposta deles? É palpável, e concreto, e deve continuar assim.

A EXPLICAÇÃO

Pelo que tudo indica, a marca não vai voltar com seus superesportivos. Principalmente lancer e eclipse, que marcaram época e corações. O argumento? Certamente, por ser uma fabricante pequena, não vale a pena diversificar o portfólio. Foi uma coisa que a Mitsubishi demorou para perceber. Mas enfim caiu em sim.

“Um negócio que vende 1,2 milhões de carros mundialmente, em um sentido global, não é tão grande. Se você tentar participar de todos os segmentos do mercado e seguir tendências, como carros esportivos, dificilmente será economicamente viável” afirma o executivo Rob Lindley.

PANORAMA E FUTURO

A Mitsubishi, resumidamente, não tem a capacidade nem o perfil para seguir tendências. O que é contraditório, em certo ponto. Isso porque ela segue, de alguma forma, uma grande tendência: a dos SUVs – categoria que só cresce no mundo.

Os que se identificam com a marca estão contentes? De jeito nenhum. Pense comigo. O principal esportivo da japonesa – o Eclipe – está virando um SUV. Sua identidade, sua velocidade e o barulho deo seu motor já se foram. O próximo, pelo que tudo indica, é o Lancer. Da mesma forma do Eclipse, deve ficar mais alto e mais espaçoso.

Mas não para por aí. Os hatches e os sedãs também vão dançar. O projeto é bem delineado. Como resultado, sobrevivem SUVs e picapes. Apenas. Com uma exceção: o Mirage, que vende nos Estados Unidos e na Europa. Esse continua.

Agora vamos lá. E você? O que acha de toda essa história? A Mitsubishi está correta?