Metrópoles apostam em ônibus elétricos

Transporte público sustentável é o primeiro passo para a melhora do ar nas grandes cidades.

Negócio da China

Metrópoles chinesas têm índices altos de poluição por conta da grande industrialização que o país vem vivendo nas últimas décadas. Mas ainda assim, essa nação pode servir de exemplo para a sustentabilidade por conta dos ônibus elétricos. Em Shenzhen, que está a dois mil km da capital Pequim, o transporte público é dominado por esse tipo de veículo. O resultado é animador: é o município da China com o ar mais limpo entre as áreas urbanas.

Com o objetivo de percorrer o caminho de Shenzhen, São Paulo já começar a receber os seus primeiros ônibus totalmente elétricos. Feitos pela fabricante BYD, a autonomia das baterias podem variar entre 250 km e 300 km, dependendo da operação.

Materiais e funcionamento

As baterias utilizadas pelos novos modelos elétricos são produzidas com íons de lítio e fosfato de ferro, que é uma opção cara, mas bastante segura para carregar ônibus deste porte.

Além dessas inovações, o ônibus consegue aproveitar a energia da frenagem para recarregar parte das baterias mesmo em movimento. Quando está parado na garagem, o veículo é “alimentado” através de uma tomada especial com 380 volts de tensão elétrica.

Economia a longo prazo

Com um investimento alto no início, já que os modelos custam na faixa de R$ 1 milhão, a economia vem depois, já que o custo operacional da frota pode ser reduzido em 60% em comparação aos veículos movidos a diesel. A eficiência de um motor elétrico alcança eficiência enérgica de 90%, enquanto o outro tipo chega a 40%.

São Paulo pretende aumentar sua frota até o final do ano, para contar com, pelo menos, 60 exemplares nas ruas. Além da capital paulista, Campinas e Belém devem implementar esse tipo de transporte em breve.