Due dilligence

O TERMO

Due dilligence é uma expressão que permeia o mundo dos negócios, e, principalmente, das transações e aquisições. Basicamente, se trata de uma série de análises de valor e risco a respeito de certa empresa. Quando se faz uma análise dessa natureza, geralmente se busca os seguintes fatores: primeiramente, estado dos passivos e ativos da instituição. Em segundo lugar, sua área de atuação, e, por último, suas possibilidades e perspectivas.

Em fusões, por exemplo, se faz esse processo minuciosamente. Todas essas análises têm o objetivo de fixar um valor na empresa que se está observando. Muitas vezes, é decidido que não vale a pena avançar em certo negócio. Muito por causa das conclusões oriundas da profundidade do estudo.

Dentro da Due Dilligence, se tem algumas análises tipicas. Entretanto, há um quarto fator que jamais pode ser deixado de lado. Vamos a eles:

ANÁLISE FINANCEIRA

Todos os dados financeiros disponibilizados são avaliados afim de se traçar o desempenho do negócio.  São consideradas para a análise áreas como ganhos, bens, passivo, fluxo de fundos, dívidas, administração, plano de negócio, etc.

ANÁLISE FISCAL-CONTÁBIL

Em suma, a investigação dos passivos impostos atuais e futuros de uma empresa. Requer uma revisão de alguns documentos fiscais. Isso parte de profissionais com conhecimentos especializados. Principalmente, no código tributário das jurisdições aplicáveis.

ANÁLISE LEGAL

O foco aqui é examinar os fundamentos legais da possível transação. Engloba não só estrutura legal, mas também contratos, empréstimos, propriedade, litígios pendentes, etc.

ANÁLISE DE RISCOS E SEGUROS

Nessa última etapa, o consultor de seguro deve ter claro para ele a natureza da operação. Isso considerando que as exposições serão auditadas em função de seu perfil.