De olho no cliente

De acordo com matéria publicada pelo Decision Report, diversas redes – dos mais diferentes tipos de varejo – estão investindo em tecnologias capazes de rastrear, via WiFi, o caminho que o cliente percorre dentro de uma loja.

Essas informações são usadas para desenvolver um mapa, que mostra as preferências do consumidor, quais corredores e prateleiras são mais movimentados, quais os produtos que o cliente passa mais tempo vendo, e até o caminho mais usado até chegar ao caixa. Em lojas com diversas unidadesde SKU, é possível montar um comparativo para analisar como o consumidor de cada região se comporta.

O objetivo de investir em um heat map para sua loja é incrementar sua vendas e desenvolver futuras ações de marketing baseadas nas informações que você receber. Fora isso, é uma maneira de repensar a forma de expor produtos que são vistos, mas que quase nunca são comprados. Essas plataformas combinam diversas tecnologia, como Data Mining, Big Data Analytics, Cloud Computing e Omnichannel.

Em entrevista ao Decision Report, Fernando Gambôa, diretor sênior do gA Retail, empresa especializada em Digital Business Transformation (dBT), afirmou que esse tipo de tecnologia deve ser cada vez mais comum.

“O que podemos esperar para 2018 são plataformas que utilizam tecnologia para analisar estes dados obtidos sobre a movimentação dentro das lojas, mais a combinação com informações do PDV (ponto de venda), e até dados de navegação de aplicativos mobile, para cruzar dados e entender o que o cliente está buscando”, diz Gambôa.

Outra tendência, segundo Fernando Gambôa, é o aumento da utilização desse mapeamento nos comércios online. “Quase 70% das consultas de produtos no comércio eletrônico são feitas por clientes realmente interessados em comprar, mas desistem por não estarem satisfeitos por diversos motivos, preço, frete, prazos, condições de financiamento, etc. Tecnologia inovadoras de rastreamento combinadas com analytics podem recuperar parte de vendas perdidas com novas ofertas aos interessados, aumentando significativamente a taxa de conversão do e-commerce”, finaliza.