Fecomercio SP mostra a maior presença da mulher no varejo

Conforme a Fecomercio SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo), 48,2% das trabalhadoras no varejo do estado já possuem carteira assinada. Além disso, participação delas em cargos de liderança também saltou: foi de 40,1% para 45,6%. Também cresceu a porcentagem de empresárias no país: de acordo com o Sebrae, o número de donas de negócio cresceu 16% entre os anos de 2003 e 2016.

UM CASE DE SUCESSO: AS LOJAS PERNAMBUCANAS

As mulheres começaram a ganhar seu espaço no mercado de trabalho ainda no século XX. Ainda na década de 30, garantiram direito ao voto e igualdade de jornadas de trabalho. Contando com isso, as Lojas Pernambucanas, fundadas em 1908, admitiram mulheres para os cargos de administração, contabilidade e caixa.

Foi só na década de 70, entretanto, que elas passaram a ocupar novas funções. Muitas eram vendedoras. Essa maior presença delas proporcionou ganhos ainda maiores. Por exemplo, a  inauguração de um berçário para as funcionárias-mães na sede, em São Paulo.

Já em 2005, a empresa visou melhorar a qualificação das suas colaboradoras. Assim, criou-se a Universidade Corporativa Comendadeira Helena Ludgren, centro de capacitação profissional que oferece treinamentos e preparação para os colaboradores da rede.

FALTA MUITO…

Entretanto, apesar dos avanços, ainda há muito o que melhorar. Para se ter uma noção, o Brasil está apenas na 90ª posição no ranking do Fórum Econômico Mundial. Este faz uma análise sobre igualdade de gênero. São 144 países analisados. A situação é ainda mais grave se pensarmos que elas recebem, ainda de acordo com o relatório, 58% do salário dos homens.